Mensagens populares

quinta-feira, julho 25, 2013

Elementos estratégicos para um concelho (Viana do Alentejo) - Matadouro Municipal

 [retirado originalmente do blogue Alcáçovas]

No dealbar de mais uma eleições autárquicas, marcadas para Setembro próximo e enquanto cidadão interessado, sinto a vontade e a disponibilidade de exercer uma cidadania mais plena e consciente e, por isso ouso discutir o futuro do concelho de Viana do Alentejo para que o mesmo, além de ter massa critica que o envolva, tenha ideias que possam ser desafiadas numa ampla plataforma politica. Por isso e, além do já referido programa necessário ao nível do Turismo Cultural que pode ser uma das âncoras   do desenvolvimento do concelho e que falarei adiante noutra reflexão, parece-me muito apropriado discutir planos estratégicos de desenvolvimento económico local e da criação de ferramentas que o permitam concretizar. Já disse anteriormente noutros contextos que o concelho vive muito do trabalho agrícola, com um fortíssimo pendor das actividades agro-pecuárias. Ora neste contexto e, invertendo uma lógica autárquica passada de criação apenas de espaços de lazer e de consumo, julgo importante para a nova equipa liderante da autarquia criar oportunidades para a iniciativa privada se fixar e desenvolver no concelho. Se além do vastíssimo  e explorável Património Cultural como a arquitectura, a história e a própria etnografia ( chocalhos e olaria) que devidamente valorizado pode permitir criação de roteiros e a vinda de operadores turísticos particulares, o investimento da autarquia numa infra-estrutura que visasse estimular o tecido empresarial existente, como inclusivamente de aumentar exponencialmente essa franja empresarial, seria uma forma de optimizar as suas valências, estimular o tecido económico e desta forma desenvolver sustentavelmente o concelho. A infra-estrutura que julgo muito oportuna criar-se no concelho, tanto pela sua localização geográfica, como pela actividade económica basilar que aí se concentra e inclusivamente pela escassez deste tipo de serviços em toda a região alentejana, seria um Matadouro Municipal, com âmbito regional, como forma de corresponder às reais necessidades do mercado pecuário. Depois de anunciado o tipo de infra-estrutura, parece-me importante justificar em primeiro lugar o porquê da sua aposta no concelho e, em segundo o porquê de ser dinamizado pela iniciativa autárquica, não obstante a grave crise económico-financeira que actualmente vivemos.
Relativamente à primeira premissa enunciada, se atentarmos que em toda a região alentejana e da margem sul da Estremadura, existem apenas quatro matadouros, um em Setúbal ( a 119kms de Viana do Alentejo), um em Beja (60kms de Viana do Alentejo), outro em Sousel (91kms de Viana do Alentejo) e ainda um quarto matadouro localizado em Reguengos de Monsaraz ( 63kms de Viana do Alentejo), mas este último, além de privado como todos os outros, é unicamente destinado a suínos e utilizado por empresas espanholas do mercado da montanheira, parece por demais evidente que existe aqui uma enorme pecha por preencher. Aliás, o próprio matadouro de Beja é há muito dado como falido e em vias de encerrar, e, não é também de estranhar que muitas das empresas de retalho (SONAE e Grupo Jerónimo Martins) comecem a deslocalizar o abate e desmanche de espécies animais para a EStremadura e Ribatejo, em virtude da falta de estratégia e condições logísticas no Alentejo para satisfazer este mercado, com graves prejuízos para a saúde animal e naturalmente qualidade alimentar. Assim, no meu humilde entender, a criação de um matadouro municipal poderia encetar uma nova dinâmica na região, visto nesta área estar concentrada umas das maiores regiões de produção animal (Montemor-o-Novo, Évora, Viana do Alentejo, Alcácer do Sal, etc) e, pela falta de meios logísticos afins, seria quase automaticamente absorvido pelas imensas necessidades do mercado, seja de pequenos abates(domésticos), pequenos e médios produtores e até abate e desmanche para empresas de retalho. Nesta lógica, criar-se-ia uma dinâmica de transporte de animais e da vinda de empresas e produtores de vastíssimas áreas, dando a conhecer o concelho, estimulando a actividade económica local e trazendo por fim maior sustentabilidade ao tecido económico local que poderia muito bem adapatar-se a esta nova (desejável) realidade. Outra das vantagens seria o de tornar o preço do abate e desmanche de espécies animais muito mais competitivo do que actualmente é, que encarece bastante o produto aí transformado.
Por último, respondendo à segunda pregorrativa que visa discutir o porquê do investimento municipal, até pelas actuais dificuldades económicas vigentes, justifica-se pela necessidade da autarquia investir numa estratégia económica de médio-longo prazo, com visão e oportunidade, com um produto/serviço verdadeiramente diferenciador e, sobretudo, numa altura em que existem financiamentos comunitários que poderão permitir muito mais facilmente que este "projecto" seja exequível por iniciativa da administração local, do que por desejo particular. E como não sou sequer defensor da assunção pela iniciativa pública por actividades que devem ser geridas, no meu enteder, por particulares, julgo que poderia ser repensada a participação da autarquia vianense neste empreendimento, que poderia passar por participação por quotas, ou por administração conjunta com associações regionais do sector (meramente a título indicativo/exemplificativo do o nome da ACOS ou da ACOMOR ou ainda da AJASUL), dando por essa via uma enorme demonstração de abertura e sinergia com as entidades locais do sector económico e mostrando que o concelho está aberto ao desenvolvimento sustentável e deseja cooperar quem nele vir uma real oportunidade para crescer.
Fica aqui o desafio lançado às candidaturas autárquicas ao concelho, pois o que espero é ver visão, estratégia e ousadia que permita fazer ao próximo presidente da CMVA bem mais que a gestão corrente e a criação de infra-estruturas meramente de lazer e consumo, como muito bem fez o executivo do PCP durante os seus vastos mandatos. Apoio inequivocamente a candidatura de Bengalinha Pinto, mas o desafio fica lançado a qualquer um dos candidatos, que pense e reflita no interesse e nas potencialidades que este investimento poderia ter no desenvolvimento de todo o concelho.  Só uma última ressalva: apesar da minha escolha estar feita, o candidato que apoio não fica refém da minha solitária e, quiçá inusitada ideia. Apenas me pareceu útil trazer à liça uma necessidade tão premente que eu, agora mais dedicado ao ramo pecuário, sinto existir e, por isso também poder ser uma oportunidade única para o concelho.